Hospitais públicos britânicos com pré-pagamento para estrangeiros de fora da UE
DATA
07/02/2017 11:01:57
AUTOR
Jornal Médico
Hospitais públicos britânicos com pré-pagamento para estrangeiros de fora da UE

O ministro da Saúde britânico, Jeremy Hunt, anunciou ontem que os doentes estrangeiros extracomunitários que não precisem de tratamento urgente terão de pagar antes de serem atendidos nos hospitais públicos britânicos a partir de abril.

Os hospitais do serviço nacional de saúde britânico já cobravam aqueles doentes, mas até agora o pagamento podia realizar-se depois do tratamento ou operação, o que continuará a poder acontecer depois de abril no caso das consultas urgentes, segundo o governante.

Hunt declarou não ter “qualquer problema” com o facto de a saúde pública tratar os estrangeiros “sempre e quando paguem, como fazem os contribuintes britânicos”.

Para já a medida não afeta os estrangeiros oriundos de países da União Europeia, embora tal possa mudar com a saída do Reino Unido da UE.

Segundo a BBC, a fatura mais alta que não foi paga por um paciente extracomunitário ascende a 300.000 libras (348.000 euros) e corresponde a um parto prematuro de uma nigeriana de quadrigémeos num hospital a oeste de Londres.

No total, os hospitais públicos britânicos gastaram em 2016 quatro milhões de libras (4,6 milhões de euros) no atendimento de doentes estrangeiros não europeus, dos quais foram reembolsados 1,6 milhões de libras (1,8 milhões de euros).

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas