Bloco Operatório do Centro Hospitalar Barreiro Montijo obtém certificado de qualidade
DATA
08/02/2017 10:03:44
AUTOR
Jornal Médico
Bloco Operatório do Centro Hospitalar Barreiro Montijo obtém certificado de qualidade

O Bloco Operatório do Centro Hospitalar Barreiro Montijo foi acreditado pela Direção-Geral de Saúde (DGS), sendo o primeiro do Serviço Nacional de Saúde (SNS) a conseguir o certificado de qualidade, num processo "complexo e exigente".

O Modelo de acreditação da Agência de Calidad Sanitaria de Andalucía (ACSA), aprovado pelo Ministério da Saúde Português, foi adotado pela DGS por ser o que melhor se adapta aos critérios definidos na Estratégia Nacional para a Qualidade em Saúde e por ser um modelo consolidado e reconhecido, concebido para um sistema público de saúde, de organização semelhante ao português, e destinatários idênticos em temos demográficos e epidemiológicos.

O Bloco Operatório do Centro Hospitalar Barreiro Montijo iniciou o processo de acreditação em outubro de 2015, passando pelas fases de adesão, autoavaliação e auditoria externa, obtendo o reconhecimento e certificação no mês de janeiro.

"Este é um trabalho de muitos anos. Estou aqui à frente do bloco deste 2003 e temos feito um processo de evolução de procedimentos, com ferramentas que tornam este serviço bem organizado. Quando, em 2015, tivemos este desafio por parte da administração para avançar para a certificação, nós percebemos a complexidade do processo, mas aceitámos", afirmou à Agência Lusa Dina Clemente, enfermeira coordenadora do Bloco Operatório e do projeto.

A responsável explicou que o processo, que englobou áreas como a gestão, o suporte e a assistencial, foi complicado e originou mesmo momentos de conflito.

"Foi muito exigente e tivemos até momentos de conflito. Tudo foi levado a bom porto e foi um sucesso, mas foi muito difícil. Foram 1.370 documentos submetidos neste processo e isso diz muito sobre o trabalho efetuado. Tínhamos que conseguir atingir todos os objetivos obrigatórios e 70% dos não obrigatórios para conseguir a certificação", defendeu.

Após a obtenção da acreditação, segue-se a última fase, designada de "seguimento", que consiste numa continuação do processo de autoavaliação e tem uma vigência de cinco anos, com o objetivo de garantir que a organização mantém e melhora as boas práticas e as condições que lhe permitiram obter a acreditação.

"É uma fase de acompanhamento e de três em três meses vamos enviando as auditorias tal como o previsto, para verem que continuamos a proceder de igual forma. A nossa base de dados vai mesmo ser colocada na plataforma, para que possa ser replicada, pois foi muito elogiada", salientou.

Para além do Bloco Operatório do Centro Hospitalar Barreiro Montijo, existe apenas mais um certificado no mesmo modelo em Portugal, mas num hospital privado.

Recorde-se que, ao longo do ano de 2016, o Bloco Operatório do Centro Hospitalar Barreiro Montijo realizou 3536 cirurgias.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.