Novo bastonário reafirma intenção de fixar tempos mínimos de consultas
DATA
09/02/2017 10:49:26
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Novo bastonário reafirma intenção de fixar tempos mínimos de consultas

O novo bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, reafirmou ontem, o programa de reformas que se propôs fazer, nomeadamente a fixação de tempos mínimos de consultas, a preservação da qualidade da medicina e a dignificação da classe.

Miguel Guimarães tomou ontem posse numa cerimónia que encheu o salão nobre da Academia das Ciências de Lisboa e na qual compareceram, além de muitos médicos, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

A “relação médico-doente está fortemente ameaçada”, com os médicos com excessivas tarefas burocráticas e administrativas, e a OM “não pode permitir esta situação”, disse o novo bastonário, acrescentando que a fixação de tempos mínimos de consulta é uma determinação que “pode e deve ser assumida pelos colégios de especialidade da OM”.

Miguel Guimarães pediu a cooperação do Ministério da Saúde no novo cargo que agora inicia. Foi também de colaboração que o ministro da saúde falou, afirmando mesmo que as prioridades apresentadas pelo bastonário são, em larga medida, as mesmas do Governo.

“Estamos com o bastonário na dignificação do tratamento médico e da qualidade da relação com o doente”, disse no final da cerimónia, aos jornalistas, Adalberto Campos Fernandes, quando questionado sobre se aceitava a fixação de tempos mínimos de consulta.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas