Malária: Combinação de duas proteínas do parasita promissora para vacina eficaz
DATA
10/02/2017 11:20:21
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Malária: Combinação de duas proteínas do parasita promissora para vacina eficaz

A combinação de duas proteínas do parasita da malária pode servir de base para uma vacina eficaz contra a doença, revela um estudo publicado hoje na revista Nature Communications.

O estudo, conduzido pelo Instituto Wellcome Trust Sanger, do Reino Unido, concluiu que uma proteína que existe na superfície do parasita – a P113 – captura uma outra proteína – a RH5 – e forma uma “ponte” molecular entre o parasita e o glóbulo vermelho.

Por isso, uma vacina que combine a RH5, a P113 e outras proteínas poderá ser mais eficaz, defendem os cientistas.

Numa investigação anterior, peritos do mesmo instituto descobriram que, para invadir os glóbulos vermelhos, o parasita da malária, o 'Plasmodium', necessita da proteína RH5 para ligar-se a um recetor na superfície das células sanguíneas.

Contudo, desconheciam como a RH5 estava ligada à superfície do parasita.

Os cientistas descobriram agora que a RH5 liga-se a um recetor nos glóbulos vermelhos quando é “apanhada” à superfície do parasita pela P113, permitindo que o Plasmodium invada as células sanguíneas.

Em teoria, de acordo com um dos autores do estudo, Julian Rayner, um anticorpo que bloqueie a P113 poderá impedir a ação da RH5 e evitar que o parasita ataque os glóbulos vermelhos.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas