Francisco George defende que há “motivos acrescidos” para ter orgulho na qualidade dos serviços portugueses
DATA
13/02/2017 10:28:11
AUTOR
Jornal Médico
Francisco George defende que há “motivos acrescidos” para ter orgulho na qualidade dos serviços portugueses

O diretor-geral da Saúde, Francisco George, afirmou no passado sábado que Portugal tem "motivos acrescidos" para estar orgulhoso dos serviços prestados pelo setor e destacou a aposta na sua acreditação internacional.

O responsável da DGS participou na cerimónia de entrega dos diplomas de acreditação a 10 unidades do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (SESARAM), que decorreu no Hospital Central do Funchal, destacando-se a Unidade de Cuidados Paliativos, a primeira reconhecida ao nível nacional.

Recorde-se que o processo de acreditação é baseado no Modelo da Agência de Qualidade Sanitária da Andaluzia (ACSA, sigla espanhola), que foi adotado pela União Europeia.

"É exatamente por isso que temos motivos acrescidos para estar orgulhosos", disse Francisco George, sublinhando a importância de uma Unidade de Cuidados Paliativos ter recebido, pela primeira vez no país, o nível de acreditação internacional.

Para além desta, foram acreditados quatros centros de saúde (Ribeira Brava, na zona oeste, Caniço e Machico, na zona leste, e Santo António, no Funchal), bem como os serviços do Hospital Central do Funchal de Anestesiologia, Medicina Intensiva, Ginecologia-Obstetrícia, Cirurgia Cardiotorácica e Patologia Clínica.

"São critérios sobretudo clínicos, de respeito pela intimidade dos doentes, redução da probabilidade de infeções e qualidade dos serviços prestados em todas as suas dimensões", esclareceu o responsável.

Por outro lado, o secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, salientou que a entrega dos certificados, que coincidiu com a efeméride do Dia Mundial do Doente, assinalada no passado sábado, é também uma mensagem para a população da região autónoma, no sentido de que "pode ter confiança" no Serviço Regional de Saúde.

"Em termos de acreditação, isto significa que à nossa instituição [o SESARAM], auditada por agentes externos, foi-lhe conferida capacidade de qualidade, qualidade para cuidar, qualidade para tratar, qualidade para humanizar", realçou.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas