Porto: projeto de apoio domiciliário a idosos com linfoma e leucemia
DATA
01/03/2017 11:31:25
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Porto: projeto de apoio domiciliário a idosos com linfoma e leucemia

Um projeto destinado a doentes com leucemia e linfoma presta apoio domiciliário a mais de 200 utentes, na maior parte idosos, evitando que passem horas no Centro Hospitalar de São João (CHSJ), no Porto, à espera de uma transfusão.

Tratando-se de "uma doença controlada mas não curável, os doentes com estes problemas de sangue têm, regularmente, de fazer transfusões", referiu a presidente da Associação de apoio aos Doentes com Leucemia e Linfoma (ADL), Fátima Ferreira, acrescentando que “entre a necessária recolha de sangue para análise, a análise e a eventual transfusão, que dura no mínimo duas horas, por vezes os doentes têm de esperar no hospital durante três horas”.

Há cerca de dois anos, um conjunto de circunstâncias – "como a oferta de um carro por um antigo doente e a chegada de dois enfermeiros reformados – proporcionou o início das visitas ao domicílio" a estes doentes idosos, recordou a responsável deste projeto voluntário.

"O nosso raio de ação são 100 quilómetros à volta do Porto, mas excecionalmente já fomos até Monção", adiantou Fátima Ferreira, explicando que este trabalho " permite aos idosos doentes poupar dinheiro, viagens e ter melhor qualidade de vida".

O trabalho da dupla de enfermeiros consiste na "recolha de sangue na casa dos doentes", após o que "fazem o estudo das amostras, informando de seguida o hospital", a quem cabe a decisão sobre se o "doente tem de submeter-se à transfusão. Caso seja necessária, marca-se o dia, o paciente desloca-se ao hospital e, à hora marcada, e sem ter de esperar mais tempo, faz [a transfusão] e depois regressa a casa. No caso de não ser preciso, as colheitas ficam feitas, os resultados anotados e o idoso não se cansou com viagens", explicou a presidente da ADL.

Criada em 1997, a associação vai procurar alargar esse serviço a mais utentes "assim que conseguir outro enfermeiro voluntário", sublinhou a responsável. Com 1.118 associados, mas em que apenas "um terço paga a quota anual de 10 euros", a ADL conta com 30 voluntários.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas