Castelo Branco: Politécnico assina protocolo no âmbito dos cuidados paliativos
DATA
02/03/2017 15:29:18
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Castelo Branco: Politécnico assina protocolo no âmbito dos cuidados paliativos

O IPCB assinou um protocolo com a Comissão Nacional de Cuidados Paliativos no âmbito da formação pré-graduada e pós-graduada e, ainda, na investigação nesta área de prestação de cuidados de saúde.

Em comunicado, o presidente do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), Carlos Maia, diz-se satisfeito com a assinatura deste protocolo e pelo facto de a escolha da Comissão Nacional de Cuidados Paliativos (CNCP) ter recaído na Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias (ESALD). “Significa mais um reconhecimento público do trabalho que tem vindo a ser efetuado por este estabelecimento de ensino do IPCB nesta área”, adiantou o responsável.

No âmbito do protocolo, a ESALD e o Ministério da Saúde comprometem-se a colaborar e a manter um diálogo de interesse recíproco, na formação pré-graduada, na formação pós-graduada, na investigação em cuidados paliativos e em qualquer outra área que se considere relevante. À CNCP compete coordenar a Rede Nacional de Cuidados Paliativos e estabelecer orientações estratégicas e técnicas no domínio da formação contínua e específica dos diversos grupos de profissionais e voluntários a envolver na prestação de cuidados paliativos.

Carlos Maia realçou, ainda, o "papel determinante" da atual diretora da ESALD, Paula Sapeta, que desde cedo definiu a área dos cuidados paliativos como a sua orientação científica, tendo sempre desenvolvido as suas investigações e efetuado formação avançada neste contexto. “Isto levou a que a ESALD tivesse sido a primeira escola, a nível nacional, a incluir nos planos curriculares da licenciatura em Enfermagem conteúdos de cuidados paliativos”, frisou.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas