Mieloma múltiplo: abertas candidaturas a bolsa da APCL, SPH e Amgen
DATA
03/03/2017 11:13:00
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Mieloma múltiplo: abertas candidaturas a bolsa da APCL, SPH e Amgen

Comemora-se, em março, o Mês de Consciencialização do Mieloma Múltiplo. 

Para assinalar a efeméride, a Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL), a Sociedade Portuguesa de Hematologia (SPH) e a Amgen Biofarmacêutica juntaram-se numa parceria que resulta na criação de uma Bolsa de Investigação em Mieloma Múltiplo (clínica, básica, epidemiológica e/ou qualidade de vida). Esta bolsa tem a duração de um ano, o valor de 15.000 euros e propõem-se a impulsionar a investigação em Mieloma Múltiplo. As candidaturas estão abertas até ao próximo dia 30 de abril.

Dirigida a investigadores nacionais ou estrangeiros a desenvolver projetos em instituições portuguesas, a Bolsa de Investigação em Mieloma Múltiplo representa mais um importante passo no desenvolvimento do conhecimento sobre esta doença hemato-oncológica rara, para a qual existe ainda necessidade de disponibilizar tratamentos mais efetivos que aumentem a sobrevivência e qualidade de vida dos doentes. Em Portugal, estima-se que a cada ano surjam 513 novos casos de Mieloma Múltiplo, segundo dados publicados pelo Globocan, relativos ao ano 2012.

Para o Prof. Doutor Manuel Abecassis, presidente da APCL, “estes incentivos são de extrema importância para o desenvolvimento da investigação nacional, colmatar a falta de dados e consequentemente potenciar o desenvolvimento de novas estratégias para o diagnóstico, o tratamento, a avaliação ou o acompanhamento destes doentes”.

Por sua vez, o Prof. Doutor José Eduardo Guimarães, presidente da SPH, destaca que “é uma grande satisfação para a SPH participar neste projeto. É nosso objetivo apoiar iniciativas de carater técnico-científico na área hemato-oncológica, nomeadamente através de bolsas de investigação científica”. 

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas