Pagamentos atrasados a privados por cirurgias começam esta semana
DATA
08/03/2017 10:25:53
AUTOR
Jornal Médico
Pagamentos atrasados a privados por cirurgias começam esta semana

O pagamento aos hospitais privados das cirurgias que as unidades públicas não conseguiram realizar, que estão em atraso, começa esta semana a ser feito, assegurou o Ministério da Saúde.

“A propósito do pagamento das cirurgias feitas ao abrigo do SIGIC (Sistema Integrados de Gestão de Inscritos para Cirurgia), por convencionados, a dívida das administrações regionais de saúde até 30 de abril de 2016 começa a ser paga esta semana e ficará praticamente liquidada na seguinte”, afirmou fonte oficial do Ministério em resposta à Agência Lusa.

Desde 30 de abril que são os hospitais as entidades financeiramente responsáveis pelo pagamento das cirurgias não realizadas no Serviço Nacional de Saúde e que são transferidas para os privados convencionados.

“Está a ser feito um esforço de aceleração da conferência de faturação no sentido de regularizar todo o processo de pagamento aos convencionados”, adianta ainda a mesma fonte oficial do Ministério da Saúde.

Segundo um despacho de fevereiro do secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, foi efetuado por cada uma das Administrações Regionais de Saúde (ARS) o levantamento das dívidas dos hospitais de origem no âmbito do SIGIC com vales cirúrgicos emitidos até 30 de abril de 2016, cujos valores ainda não foram pagos pelas ARS às entidades convencionadas. Em causa está, neste caso, um montante superior a oito milhões de euros.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas