Cerca de 150 mil portugueses sofrem de glaucoma
DATA
09/03/2017 11:03:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Cerca de 150 mil portugueses sofrem de glaucoma

A Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) vai realizar uma campanha pública de sensibilização para o glaucoma e para os perigos de uma doença que afeta mais de 150 mil portugueses. A campanha é organizada pelo Grupo Português de Glaucoma (GPG) da SPO e começa domingo, primeiro dia da Semana Mundial do Glaucoma.

As mensagens, que serão difundidas em painéis publicitários e em centros comerciais em Lisboa, Porto e Coimbra, pretendem alertar para o facto de o glaucoma estar subdiagnosticado, visto tratar-se de uma doença que pode “provocar danos progressivos na visão sem aviso até às fases mais avançadas da doença”.

“Apesar de o tratamento ser eficaz na estabilização desta patologia, este é incapaz de reverter as lesões já provocadas. Isto significa que quanto mais precoce o diagnóstico, maior é a visão preservada”, prossegue a SPO. Segundo o coordenador do GPG da SPO, António Figueiredo, o objetivo desta campanha é “esclarecer os portugueses sobre uma doença oftalmológica que não tem sintomas na sua fase inicial.

“O glaucoma é uma espécie de ladrão silencioso que vai roubando a visão sem que o doente se aperceba. Quando os sintomas se instalam já não é possível revertê-los. Esta campanha, pretende, portanto, levar a população a procurar regularmente o oftalmologista para prevenir ou tratar atempadamente o glaucoma”, adiantou.

O glaucoma afeta cerca de 80 milhões de pessoas em todo o mundo.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas