Novas terapêuticas para doentes com diabetes em debate no Algarve
DATA
10/03/2017 10:04:29
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Novas terapêuticas para doentes com diabetes em debate no Algarve

Novas terapêuticas para a prevenção e tratamento de problemas cardiovasculares em doentes com diabetes é um dos temas em foco no 13.º Congresso Português de Diabetes que tem início esta sexta-feira, em Albufeira.

Na opinião do vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Diabetologia, Rui Duarte, os avanços mais recentes no estudo da terapêutica da diabetes têm vindo a demonstrar “que pode haver fármacos que têm melhores resultados na prevenção e na evolução dos eventos cardiovasculares de pessoas com diabetes e com fatores de risco de doença cardíaca”.

De acordo com a Sociedade Portuguesa de Diabetologia, que comemora o seu trigésimo aniversário neste encontro, os problemas cardiovasculares, que são uma das várias complicações que os diabéticos podem desenvolver, representam cerca de 50% das causas de morte de diabéticos, sendo que cerca de 20% das pessoas com diabetes tipo 2 apresentam insuficiência cardíaca.

Os “números apontam para aproximadamente entre os 1% e os 13%” de portugueses diagnosticados com diabetes, explicou o especialista Rui Duarte em declarações à Agência Lusa, observando tratar-se de uma patologia muito prevalente na prática clínica diária.

O vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Diabetologia sublinhou que cerca de 30% das pessoas internadas nos serviços de Medicina dos hospitais têm diabetes.

O número de diabéticos, a quantidade de medicamentos consumidos no tratamento da diabetes, o número de hospitalizações e os gastos associados são alguns dos dados atualizados que vão ser apresentados durante o congresso, que decorre até domingo num hotel em Albufeira, no Algarve.

As estimativas apontam para que a diabetes afete quase um milhão de portugueses, sendo que perto de 400 mil não sabem ainda que não foram diagnosticados.

Durante três dias, investigadores e profissionais de diferentes classes profissionais e especialidades vão reunir-se para debater várias abordagens sobre o tratamento da diabetes, assim como novos tratamentos e nova tecnologia associada e avanços científicos.

Um programa científico que, nas palavras de Rui Duarte, é “bastante abrangente relativamente à abordagem que se faz da diabetes e das suas complicações”.

A cirurgia metabólica da diabetes, até que ponto a nossa genética está a influenciar o aparecimento de complicações, a monitorização da glucose sem a comum picada no dedo, são alguns temas deste encontro.

Os grupos de trabalho vão debruçar-se sobre as complicações associadas à neuropatia diabética, à diabetes na adolescência, a nutrição, a diabetes gestacional, o pé diabético e questões relacionadas com a enfermagem.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas