Bloco de Esquerda defende aquisição de viaturas para transportar doentes com cuidados domiciliários
DATA
10/03/2017 10:08:50
AUTOR
Jornal Médico
Bloco de Esquerda defende aquisição de viaturas para transportar doentes com cuidados domiciliários

O Bloco de Esquerda (BE) defende a aquisição das viaturas necessárias para transportar doentes que necessitam de cuidados domiciliários, tendo em conta que o recurso a táxis ou a aluguer de carros é “mais oneroso” do que a compra de automóveis.

Aquela força política apresenta hoje, no Parlamento, um projeto de resolução em que propõe ao Governo para que adquira viaturas para prestação de cuidados ao domiciliário no âmbito dos cuidados de saúde primários. Segundo o BE, os Cuidados de Saúde Primários estão colocados “numa situação em que não podem adquirir as viaturas que são absolutamente essenciais, mantendo-se com uma frota insuficiente, com muitos anos e centenas de milhares de quilómetros, que necessita de reparações recorrentes e que não garante nem funcionalidade nem segurança”.

Em alternativa, adianta o Bloco de Esquerda, os agrupamentos de centros de saúde (ACES) recorrem a táxis ou a aluguer de automóveis, “pagando muito mais por isto do que se pagaria na aquisição das viaturas que são necessárias”.

Para o BE, esta situação “é um impedimento absurdo que limita o trabalho dos profissionais, a capacidade de resposta dos cuidados de saúde primários, prejudica os utentes que necessitam de cuidados domiciliários” e “fica mais caro ao Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Para perceber melhor esta situação, o Bloco de Esquerda questionou 55 Agrupamentos de Centros de Saúde e Unidades Locais de Saúde, tendo respondido 48, dos quais 35 indicaram que, em 2014, os encargos ultrapassaram os 1,57 milhões de euros e, em 2015, quase que chegou aos 1,7 milhões de euros.

“Se todo esse dinheiro fosse aplicado em investimento no SNS seria possível adquirir as viaturas em falta, dotar os agrupamentos de centros de saúde de mais meios e garantir, dessa forma, melhores cuidados ao domicílio, sem limitações ou constrangimentos”, referem.

Nesse sentido, o grupo parlamentar do BE propõe que a Assembleia da República recomende ao Governo para que “combata o desperdício de recursos públicos, em particular o que se prende com o aluguer de automóveis ou recurso a táxis para prestação de cuidados de saúde ao domicílio” e “utiliza os recursos públicos de forma racional, dotando os cuidados de saúde primários com as viaturas necessárias para a prestação de cuidados ao domicílio, evitando o esbanjamento de dinheiro público”.

O BE propõe ainda que o Governo “remova as limitações à aquisição de viaturas quando estas se destinem à prestação de cuidados de saúde ao domicílio, suprindo as necessidades identificadas nos agrupamentos de centros de saúde e unidades locais de saúde”.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas