Associação do Porto percorre Norte e Centro para apoiar laringectomizados
DATA
13/03/2017 09:24:58
AUTOR
Jornal Médico
Associação do Porto percorre Norte e Centro para apoiar laringectomizados

A Associação Portuguesa de Limitados da Voz (APLV), do Porto, está a percorrer o Norte e Centro para sensibilizar os laringetomizados das causas "diretas e secundárias” de doença que “prejudica a voz, o emprego e a família", de acordo com o seu presidente, José Costa.

José Costa explicou à Agência Lusa que um laringectomizado "é uma pessoa afetada pelo cancro da laringe e que, uma vez operado e sem as cordas vocais, passa a respirar por um orifício aberto na parte posterior do pescoço".

Os 12 voluntários da Associação Portuguesa de Limitados da Voz (APLV) visitam diariamente o Instituto Português de Oncologia, do Porto, os centros hospitalares São João e do Porto e Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, para "ajudar a compreender um cancro que tem cura se detetado a tempo".

A doença afeta, "na sua maioria, homens com mais de 50 anos", explicou o dirigente, referindo ser "a conjugação do tabaco com o consumo de bebidas brancas a maior causa deste tipo de cancro".

Consciente de que os "problemas não acabam com a cirurgia", para José Costa "a reabilitação da voz esofágica contribui para a reintegração do individuo no seu ambiente familiar, social e laboral".

"Mas nem sempre isso acontece", alertou o presidente da APLV que para além das visitas diárias aos hospitais do Porto e Matosinhos, vão também semanalmente ao Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho e mensalmente aos hospitais de Santa Maria da Feira, Viseu e Coimbra.

Todos eles laringectomizados "e cativados para o trabalho na associação pelas visitas que então receberam dos antigos voluntários", José Costa e os seus colaboradores fazem também visitas domiciliares nos distritos entre Viana do Castelo e Coimbra.

"É nessas visitas que nos apercebemos do sofrimento das pessoas, pois parte delas vive isolada e só comunica quando as visitamos. Noutros casos, o consumo do álcool mantém-se pela falta de sensibilização e de alternativas na vida dos laringectomizados", lamentou.

O regresso ao mercado de trabalho "quer pelo estigma, nuns casos, quer pela vergonha, noutros", é também um cenário complicado de contornar para quem foi operado, "sendo que desde que a incapacidade descrita no atestado multiusos ultrapasse os 80% a reforma por incapacidade atinge o valor máximo de remuneração seja qual for a idade do proponente", explicou.

"Estamos a falar de uma doença que provoca, também, o divórcio, pois os familiares, por vezes, sofrem mais do que nós", acrescentou o dirigente de uma doença cuja cirurgia determina terapia da fala e, por vezes, "uma espera até poder voltar a falar, no mínimo, de um mês".

Este cancro "segundo os especialistas, dita que em média um português por dia seja operado", situação que fez a APLV disponibilizar-se para "ações de sensibilização junto da população".

"Nas escolas onde tivemos a possibilidade de falar com alunos dos três ciclos de ensino foi notável a atenção com que nos ouviram e como depois surgiram as perguntas ", congratulou-se José Costa, lembrando que "até em turmas de alunos mais complicados a atenção foi total".

A APLV fornece ainda ajudas técnicas (material para a higienização da prótese fonatória) e de suplementos alimentares e da nutrição entérica (uma vez que estes só através de uma sonda gástrica ou intestinal conseguem alimentar-se). Apesar de ser uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) o único apoio que a associação recebe é do Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa contra o Cancro, onde está sediada.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas