Lisboa: 14 novos centros de saúde em substituição de unidades a funcionar em prédios
DATA
14/03/2017 11:07:14
AUTOR
Jornal Médico
Lisboa: 14 novos centros de saúde em substituição de unidades a funcionar em prédios

Lisboa vai ter 14 novos centros de saúde (CS) que, até 2020, irão substituir as unidades de cuidados de saúde primários (CSP) que funcionam em prédios de habitação e a que recorre um total de 300 mil utentes, revelou a presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), Rosa Valente de Matos.

Em declarações à agência Lusa, a responsável afirmou que as novas unidades vão acolher utentes que até agora eram atendidos em CS construídos em prédios de habitação. As novas unidades, construídqs essencialmente em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa (CML), vão, numa primeira fase, substituir “as que estão mais degradadas”. Numa segunda fase, prosseguiu, serão transferidos para novas unidades os CS que “receberam algumas remodelações e não precisam para já de uma substituição”.

Os novos CS a serem construídos serão as Unidades de Saúde (US) Alta Lisboa-Norte (freguesia de Santa Clara), a US Telheiras (Lumiar), US Alcântara (Alcântara), US Ajuda (Ajuda), US Restelo (Belém), US Alto dos Moinhos (São Domingos de Benfica), US Fonte Nova (Benfica), US Marvila (Marvila), US Campo de Ourique (Campo de Ourique), US Areeiro (Areeiro), US Arroios (Arroios), US Beato (Beato), US Sapadores-Graça (Penha de França) e US Parque das Nações (Parque das Nações).

A US Alta de Lisboa-Norte irá receber os utentes das Unidades de Cuidados de Saúde primários (UCSP) da Charneca e parte dos da UCSP do Lumiar, a US Parque das Nações os da UCSP dos Olivais, a US Telheiras acolherá parte dos utentes da UCSP do Lumiar e a US do Alto dos Moinhos os da Unidade de Saúde Familiar (USF) das Tílias.

A US Fonte Nova receberá os utentes das USF Gerações e Rodrigues Migueis, a US Marvila os da UCSP de Marvila (duas unidades), a US Areeiro os da USF Fonte Luminosa e a US Beato os da USF Oriente. A US Sapadores-Graça contará com os utentes da UCSP da Graça, a US Arroios os das UCSP Alameda e Penha de França, a US Campo de Ourique os das USF de Santo Condestável e Sofia Abecassis. Para a US Alcântara irão os utentes da UCSP de Alcântara e a US da Ajuda os da USF da Ajuda.

De acordo c0om Rosa Valente de Matos, a construção das novas unidades arranca este ano e deverá terminar em 2020.

“Temos de ter serviços de saúde diferentes, mais abertos à comunidade, em que as pessoas tenham espaços e que não tenham de subir escadarias que encontramos nos prédios de habitação, mas que sejam também edifícios amigos das pessoas”, sublinhou a presidente da ARSLVT.

Algumas das novas unidades terão novas valências disponíveis, como médicos dentistas, exames complementares, raio x, recolha de sangue e outros meios complementares de diagnóstico. O objetivo é “responder à maioria das necessidades das pessoas”, adiantou a responsável. Com estas mudanças, a ARSLVT espera ainda atrair mais profissionais de saúde.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas