Governo estima que radioterapia de Viseu esteja em funcionamento dentro de dois anos
DATA
08/05/2017 10:35:25
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Governo estima que radioterapia de Viseu esteja em funcionamento dentro de dois anos

O secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, adiantou que a radioterapia, a instalar no Centro Hospitalar Tondela-Viseu, deverá entrar em funcionamento dentro de dois anos, sendo aplicado um modelo de filiação com o IPO de Coimbra.

“Esperamos que a radioterapia esteja instalada e aberta aos utentes dentro de dois anos ou dois anos e meio. O modelo que vamos ter é o de filiação com o IPO de Coimbra”, sustentou.

De acordo com o governante, que esteve ao início da tarde de sábado no Centro Hospitalar Tondela-Viseu, numa primeira fase será criado um bunker com um acelerador linear (máquina de tratamento), sendo remetida para mais tarde a possibilidade de colocação de um segundo acelerador linear, mediante o número de utentes a tratar.

“Faz sentido tomar decisões à medida que as coisas vão acontecendo, ou seja, à medida que vamos tendo mais doentes e, eventualmente, se verificar a necessidade da instalação do novo acelerador linear”, justificou.

O investimento total do projeto ronda “os sete a oito milhões de euros”, no entanto, os custos poderão baixar cerca de 30% com a instalação de apenas um acelerador linear numa fase inicial.

“O financiamento tem que ser arranjado entre o Ministério da Saúde, fundos comunitários e o trabalho do Centro Hospitalar. Diria que estamos, de forma tripartida, a estudar a melhor forma de financiar o projeto, de forma a que, ainda este ano, se consiga pôr a concurso este acelerador linear e a instalação da radioterapia em Viseu”, explicou.

Manuel Delgado recordou ainda que houve divergências quanto à localização mais adequada para a instalação deste equipamento, no entanto, “foi decidido politicamente que seria em Viseu porque estrategicamente é o local mais adequado e em matéria de equidade no acesso dos cidadãos”.

Questionado pelos jornalistas sobre o número de utentes que poderão vir a ser tratados, o secretário de Estado da Saúde sublinhou que vai depender do ritmo de funcionamento.

“O que vamos fazer é avaliar os doentes que estão a ser tratados, ver os que podem vir a ser tratados aqui e depois é preciso ver os profissionais e os horários de trabalho”, alegou.

No IPO de Coimbra, onde esteve durante a manhã, este serviço realiza entre 90 a 100 tratamentos por dia e funciona “muitos dias da semana, entre as 08:00 e a meia-noite”, porque “é uma pressão muito grande naqueles equipamentos”.

“Se tiver a capacidade de descentralizar a oferta, é evidente que depois ponho cada acelerador linear a trabalhar a um ritmo relativamente menor, apontou.

Para o presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Tondela-Viseu, Cílio Correia, este é um projeto estruturante, que irá criar uma nova centralidade na terapêutica do doente oncológico em Viseu.

“É uma boa notícia para a nossa comunidade, Serviço Nacional de Saúde e Centro Hospitalar, mas fundamentalmente para os nossos doentes e familiares, que assim veem abrir-se uma nova possibilidade para o tratamento da sua doença com conforto, segurança e qualidade”, destacou.

#sejamestrelas
Editorial | António Luz Pereira
#sejamestrelas

Ciclicamente as capas dos jornais são preenchidas com o número de novos médicos. Por instantes todos prestam atenção aos números. Sim, para muitos são apenas números. Para nós, são colegas que se decidiram pelo compromisso com os utentes nas mais diversas áreas. Por isso, queremos deixar a todos, mas especialmente aqueles que abraçaram este ano a melhor especialidade do Mundo uma mensagem: “Sejam Estrelas”.

Mais lidas