Doenças crónicas, infeções hospitalares e questões de ética são prioridades
DATA
26/05/2017 09:50:28
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Doenças crónicas, infeções hospitalares e questões de ética são prioridades

O diretor-geral da Saúde, Francisco George, afirmou ontem que nos próximos cinco anos será necessário resolver a questão das doenças crónicas, das doenças de transmissão vetorial, das infeções associados aos cuidados de saúde e das questões da ética.

As declarações surgem durante a sessão de abertura do 23.º Congresso Nacional de Medicina Interna, na Alfândega do Porto, onde Francisco George lembrou que a doenças crónicas como o cancro ou as doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, são as que mais antecipam a morte antes dos 70 anos e as que mais produzem deficiência e incapacidade.

“O problema destas doenças está hoje por resolver, mas muitas delas podem ser evitadas num regime de coprodução entre médicos e doentes”, frisou.

Quanto às doenças transmissíveis por vetores ou de transmissão vetorial, o diretor-geral da Saúde salientou que essas doenças “estão aí”, estão a invadir o território, lembrando a existência da Dengue há três anos na Madeira ou do vírus Zika.

“Vamos ter mais, vamos estar confrontados com estes problemas relacionados com o aquecimento global e transformação das zonas temperadas em subtropicais, o que faz com que os locais onde se reproduzem os mosquitos vetores sejam mais”, explicou.

As infeções associadas aos cuidados de saúde, em especial a resistência das bactérias, dos vírus e dos parasitas aos medicamentos são outra das preocupações apontadas por Francisco George.

Estas infeções não estão só ligadas ao exercício da medicina e da clínica, mas também à automedicação e a alguns setores como a agricultura, salientou.

“Temos de resolver esta questão que nos preocupa muito”, reforçou.

Outros dos desafios apontados por Francisco George são as questões da ética que tem de existir no seio do exercício da medicina interna e de todas as especialidades.

“Todos nós temos de ser mais exigentes no plano da ética porque para além das questões que todos conhecem, nós temos problemas de iniquidade e desigualdade em saúde”, ressalvou.

Isolamento social com apoio de proximidade e em segurança
Editorial | Jornal Médico
Isolamento social com apoio de proximidade e em segurança

O futuro tem hoje 5 dias! Inacreditável! Quem é que tem agenda para mais de 5 dias? A pandemia COVID-19 alterou profundamente a vida quotidiana, a prestação de cuidados de saúde e a organização dos serviços de saúde está totalmente alterada. O isolamento social é a orientação primordial de confrontação da pandemia. Mas é necessário promover o apoio de proximidade essencial e aprender a fazê-lo em segurança.

Mais lidas