Alunas do Porto desenvolvem caixa eletrónica que ajuda doentes a tomar medicação
DATA
06/06/2017 10:18:29
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Alunas do Porto desenvolvem caixa eletrónica que ajuda doentes a tomar medicação

Um grupo de alunas do Porto criaram uma caixa de medicamentos eletrónica que ajuda doentes e idosos a tomar a medicação, tendo sido um dos projetos presentes na Mostra Nacional de Empreendedorismo, a decorrer até quarta-feira, na Alfândega do Porto.

“A caixa tem seis compartimentos enumerados, inclusive em braille”, que só abrem segundo as indicações registadas numa aplicação instalada nos "smartphones", criada para controlar a toma e a reposição da medicação, explicou à Agência Lusa Mariana Garcéz, aluna de Enfermagem da Escola Superior de Santa Maria, no Porto.

Juntamente com as colegas Diana Mota e Catarina Cardoso, desenvolveu o projeto MedBOX, que estará disponível em breve, e que se prevê ser “uma solução do presente a pensar no futuro”.

Para além de controlar a abertura da caixa e emitir avisos sonoros, luminosos ou vibratórios, para lembrar o doente da toma dos remédios, a aplicação permite saber qual a medicação utilizada, registo que pode ser feito de forma manual ou apontando a câmara do telemóvel para o código de barras das caixas de medicamentos.

De acordo com a aluna, esta solução possibilita também registar os níveis de glicemia, de tensão arterial e do colesterol, bem como a ficha médica do doente, o que facilita o trabalho do médico e do utente, podendo ser utilizada em casa, em lares, em hospitais e em centros de dia.

A aplicação contém ainda o “modo cuidador”, sendo este um recurso caso o doente “não consiga ser independente”, delegando funções a outra pessoa que, por sua vez, “faz o controlo da aplicação e dos registos médicos”, acrescentou.

Na 1.ª Mostra Nacional de Empreendedorismo, evento organizado pela Fundação da Juventude, iniciado esta segunda-feira, estão em competição os 50 melhores projetos selecionados a partir do Concurso Nacional de Jovens Empreendedores, que se realizou pela primeira vez este ano.

Durante a mostra será também apresentada uma aplicação para motociclos, desenvolvida por finalistas da Licenciatura em Engenharia de Sistemas, do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP).

Esta solução contém um sistema de controlo do depósito, “que contabiliza a quantidade combustível ou energia (elétrica) que existe no depósito do motociclo”, através de um sensor que envia uma mensagem para a aplicação, indicando-lhe “quantos quilómetros é possível ainda percorrer”, explicou Leonel Patrício, um dos criadores.

A aplicação, que, segundo o universitário, “para já ainda está no papel”, permite localizar o capacete ou o motociclo, em caso de perda ou de roubo, recorrendo a dois sensores de localização que funcionam como um recetor GPS, fornecendo as coordenadas geográficas no dispositivo móvel.

Um sistema de segurança é outra das funcionalidades da aplicação e tem como principal objetivo "garantir o uso de capacete", enquanto o motociclo se encontra em funcionamento, através de sinais sonoros emitidos pelo 'smartphone', caso se verifique, através dos sensores de pressão, que este não está colocado, concluiu.

A Mostra Nacional de Empreendedorismo, que visa promover o empreendedorismo criativo e social, envolve 140 participantes, orientados por mais de 35 professores de cerca de 40 instituições de ensino.

Aos três trabalhos vencedores ao nível do ensino superior serão atribuídos prémios no valor pecuniário de 3500 euros, enquanto aos quatro primeiros projetos do ensino secundário serão entregues prémios que totalizam 2500 euros.

As certezas enganadoras sobre os Outros
Editorial | Mário Santos, membro da Direção Nacional da APMGF
As certezas enganadoras sobre os Outros

No processo de reflexão da minha prática clínica, levo em conta para além do meu índice de desempenho geral (IDG) e da satisfação dos meus pacientes, a opinião dos Outros. Não deixo, por isso, de ler as entrevistas cujos destaques despertam em mim o interesse sobre o que pensam e o que esperam das minhas funções, como médico de família. Selecionei alguns títulos divulgados pelo Jornal Médico, que mereceram a minha atenção no último ano: