Abertura de apenas 29 vagas para MGF representa um “clamoroso desinvestimento” do Ministério
DATA
31/08/2017 09:36:58
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Abertura de apenas 29 vagas para MGF representa um “clamoroso desinvestimento” do Ministério

A Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) repudiou a abertura de apenas 29 vagas no topo da carreira médica para aquela especialidade, considerando que o Governo mostra um “clamoroso desinvestimento” nos cuidados de saúde primários.

Na semana passada, o Ministério da Saúde autorizou a abertura de 200 vagas para assistente graduado sénior, o topo da carreira médica, mas apenas 29 dessas 200 vagas contemplam a Medicina Geral e Familiar.

Em comunicado divulgado durante o dia de ontem, a APMGF acusa o Ministério da Saúde de estar a fazer uma “manifesta opção política de esquecimento dos médicos de família”.

De acordo com as contas da associação, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem 17.905 médicos, 5.415 dos quais são médicos de família, o que representa cerca de 30%.

“Ao abrir apenas 29 vagas para assistente graduado sénior da carreira médica de MGF - 14,5% do total de vagas disponibilizadas - o Ministério da Saúde está a fazer uma manifesta opção política de esquecimento dos médicos de família e uma visível orientação contra o desenvolvimento do ‘pilar do SNS’”, afirma a direção da Associação de Medicina Geral e Familiar.

No entender dos médicos de família, deviam ter sido abertas mais de 60 vagas para recrutamento de assistentes graduados seniores da carreira médica de medicinal geral e familiar.

Perante o mapa de vagas publicado, a Associação vem repudiar o que entende como “evidente falta de investimento nos cuidados de saúde primários”, manifestando o seu desagrado com uma “opção política desajustada e incompreensível à luz do discurso político do Governo”.

Uma oportunidade de ouro
Editorial | Nuno Jacinto
Uma oportunidade de ouro

O ano que agora terminou foi sem dúvida atípico, fora do normal e certamente ficará para sempre na nossa memória individual e coletiva. Mas porque, apesar de tudo, há tradições que se mantêm, é chegada a hora de fazer um balanço de 2020 e perspetivar 2021.

Mais lidas