Catarina Martins quer fim das taxas moderadoras que tornam desigual acesso à saúde
DATA
25/09/2017 10:30:56
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Catarina Martins quer fim das taxas moderadoras que tornam desigual acesso à saúde

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, defendeu este sábado o fim das taxas moderadoras no Serviço Nacional de Saúde, que tornam “mais desigual o acesso à saúde”, sugerindo que se cobrem “impostos a quem não tem pago a sua parte”.

“As taxas moderadoras não servem para moderar nada, mas apenas para tornar mais desigual o acesso à saúde e, portanto, para reforçar o Serviço Nacional de Saúde acabem-se com as taxas moderadoras e cobrem-se impostos a quem não tem pago a sua parte”, sugeriu Catarina Martins durante o discurso num almoço da campanha autárquica, que decorreu em Ermesinde, Valongo, distrito do Porto.

A líder do BE deu como exemplo a notícia da edição de sábado do Jornal de Notícias, na qual se refere que “há milhões de euros em dívida de taxas moderadoras” e que há “utentes que precisam de aceder à saúde e que lhes é cobrada uma taxa moderadora que eles não podem pagar”, havendo mesmo “serviços de saúde que fazem planos de pagamento”.

“Eu acho que no próximo Orçamento do Estado é possível ter um compromisso pela saúde que tenha estes grandes princípios: o acesso de toda a gente à saúde, o cuidar bem dos profissionais que cuidam de nós e o dar o equipamento necessário para o SNS funcionar”, reiterou.

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas