IPST garante reservas em “níveis confortáveis”
DATA
17/10/2017 09:50:50
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


IPST garante reservas em “níveis confortáveis”

O Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) esclareceu ontem que as reservas de sangue estão em níveis “confortáveis”, salientando que podem “satisfazer rapidamente” pedidos de qualquer parte ao país.

O esclarecimento surge depois de, nas últimas horas, terem surgido nas redes sociais vários apelos para a dádiva de sangue, atendendo a um súbito aumento do número de doentes queimados.

“Cumpre ao IPST informar que, na atualização mais recente das suas existências, pelas 15:30, as reservas nacionais ascendiam a mais de 15 mil unidades de concentrados de eritrócitos”, refere em comunicado, explicando que é uma situação “distante da necessidade de apelo”.

O instituto acrescenta que grupos sanguíneos B- e A- têm “uma reserva confortável de 7 a 10 dias e todos os outros grupos têm reservas de mais de 10 dias”.

O IPST garante que os portugueses podem “estar seguros”, uma vez que as reservas garantem que os pedidos que sejam endereçados pelas unidades de saúde de qualquer ponto do país podem ser atendidos de forma rápida.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo - o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades -, provocaram pelo menos 36 mortos e dezenas de feridos, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas