Câmara de Lisboa quer atribuir Medalha Municipal de Mérito Social a Francisco George
DATA
20/10/2017 09:20:13
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Câmara de Lisboa quer atribuir Medalha Municipal de Mérito Social a Francisco George

A Câmara Municipal de Lisboa vai apreciar esta sexta-feira, em reunião extraordinária do executivo, a atribuição da Medalha Municipal de Mérito Social ao diretor-geral da Saúde, Francisco George, que deixa o cargo este mês e que faz hoje Última intervenção de Francisco George enquanto Diretor-Geral da Saúde. O evento, a propósito de “44 anos de Serviço Público”, decorre esta manhã no Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, em Campolide.

A proposta, assinada pelo vereador dos Direitos Sociais, João Afonso, assinala que “incumbe à Câmara Municipal de Lisboa, enquanto órgão executivo do município, o reconhecimento de que certas instituições e personalidades individualmente consideradas da cidade desempenham e cumprem um importante e meritório papel de interesse público municipal que, como tal, deve ser publicamente reconhecido, evidenciado e agraciado”.

O documento, que será apreciado pelos vereadores da Câmara de Lisboa, lembra também o percurso profissional de Francisco George, que ao fim de uma dúzia de anos como diretor-geral da Saúde deixa a administração pública e termina uma carreira de 44 anos ao serviço do Estado.

Entre os reconhecimentos que já lhe foram atribuídos, destaca-se a condecoração com a Ordem do Infante D. Henrique, Grande-Oficial, pelo Presidente da República, Jorge Sampaio, a 05 de março de 2006.

O vereador assinala também que “a Medalha de Mérito se destina a distinguir as pessoas singulares ou coletivas, nacionais ou estrangeiras, de cujos atos advenham assinaláveis benefícios para a cidade de Lisboa, melhoria das condições de vida da sua população, desenvolvimento ou difusão da sua arte, divulgação ou aprofundamento da sua história, ou outros de notável importância que justifiquem este reconhecimento”.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas