Vacinação dos profissionais de saúde contra gripe é “quase imperativo deontológico”
DATA
28/11/2017 16:05:19
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Vacinação dos profissionais de saúde contra gripe é “quase imperativo deontológico”

A vacinação dos profissionais de saúde contra a gripe é “quase um imperativo deontológico e ético”, afirmou a diretora-geral da Saúde, apelando à vacinação dos grupos de risco.

Numa sessão de apresentação do plano de contingência para o inverno, Graça Freitas indicou que já foram administradas mais de um milhão de vacinas contra a gripe, e relembrou que os profissionais de saúde são um dos grupos-alvo da vacina, por estarem mais expostos e, também, por poderem contagiar doentes.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) não possui ainda dados para a atual época gripal sobre a vacinação dos profissionais de saúde, mas geralmente são um dos grupos de risco com mais baixa taxa de adesão à imunização.

Segundo os últimos dados do Vacinómetro, desde outubro só se tinham vacinado cerca de um terço dos profissionais de saúde com contacto direto com os doentes. Nos outros grupos prioritários, a vacina chegou a mais de metade das pessoas com idade igual ou superior a 65 anos e a 45% dos portadores de doença crónica.

“Estes valores, quando comparados com o mesmo período da época anterior, mostram uma taxa de vacinação superior para todos os grupos, com exceção dos profissionais de saúde, cujos valores se mantêm semelhantes”, pode ler-se no mesmo relatório.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas