Tabagismo: Açores lança plano de combate em 2018
DATA
05/12/2017 15:37:33
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Tabagismo: Açores lança plano de combate em 2018

O Governo Regional dos Açores pretende implementar, no próximo ano, um plano de combate ao tabagismo, uma vez que o tabaco é uma das principais causas de cancro na região, de acordo com o que anunciou hoje o executivo.

“Temos um consumo elevado de tabaco e, como tal, pretendemos apresentar um plano de ação que faça com que haja uma redução efetiva”, adiantou o secretário regional da Saúde, Rui Luís, à margem de uma reunião do Conselho Consultivo de Combate à Doença Oncológica nos Açores

Segundo o governante, o plano prevê uma ação para evitar que as pessoas comecem a fumar, uma para apoiar a cessação tabágica, um conjunto de ações para proteger os não fumadores do fumo passivo e, ainda, a monitorização do consumo do tabaco na região.

De acordo com dados do Inquérito Regional de Saúde, em 2014, cerca de 27,6% dos açorianos entre os 20 e os 74 anos fumava diariamente e 45,6% admitia fumar na presença de outras pessoas, incluindo crianças.

Outro dos pontos na agenda da reunião foi a necessidade de atualizar os registos oncológicos da região: “Estamos a preparar-nos para publicar em 2018 um conjunto de informação do registo oncológico regional que vai do ano 2012 até ao ano de 2016, porque a última publicação é de 2015 e refere-se a dados de 2011”, adiantou o secretário regional da Saúde.

Entre 2007 e 2011 foram detetados, em média, 1.050 casos de cancro por ano nos Açores, segundo dados do registo oncológico regional, com predominância para os cancros da próstata, do pulmão e da mama.

Segundo Rui Luís, a prioridade em 2018 é a publicação do registo oncológico para que esses dados permitam estudar as causas do cancro na região.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas