Malária: Moçambique vai gastar 11,2 milhões de euros em inseticida
DATA
07/12/2017 12:09:17
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Malária: Moçambique vai gastar 11,2 milhões de euros em inseticida

O Ministério da Saúde de Moçambique vai despender 11,2 milhões de euros na compra de inseticidas contra a malária em 2018, anunciou a instituição.

Falando à margem da 9.ª Reunião do Programa Nacional de Combate à Malária, o diretor da iniciativa, Baltazar Candrinho, afirmou que os inseticidas serão usados para a pulverização de casas em 30 distritos do país.

Baltazar Candrinho adiantou que a partir do próximo ano será comprado um inseticida diferente daquele que o Programa Nacional de Combate à Malária tem utilizado, devido à recusa de algumas famílias em permitir que as suas casas sejam pulverizadas com o inseticida ainda em vigor. A recusa deve-se ao facto de o produto deixar marcas nas paredes.

“Os novos inseticidas são mais eficazes, mais fáceis de diluir e têm um aroma mais agradável”, acrescentou Candrinho.

A malária continua a ser um dos maiores problemas de saúde pública em Moçambique, tendo no ano passado matado 1.600 pessoas de um total de 7,5 milhões de casos diagnosticados.

As províncias da Zambézia, Tete, Manica e Sofala, centro, e Inhambane e Gaza, sul, são as mais afetadas pela doença.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas