Gripe: epidemia de baixa intensidade e com tendência estável
DATA
02/02/2018 11:30:24
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Gripe: epidemia de baixa intensidade e com tendência estável

A atividade gripal em Portugal é considerada de “baixa intensidade” com tendência estável, segundo o Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

No documento divulgado, relativo à última semana, indica-se que a taxa de incidência gripal foi de 48,7 por 100 mil habitantes, quando no boletim divulgado a 25 de janeiro a taxa era de 58,4.

Na última semana de janeiro, de acordo com o boletim, continuaram a ser detetados vírus do tipo B (78% dos casos) e dos subtipos A(H3) e A(H1).

Nas 27 unidades de cuidados intensivos que enviaram informação foram reportados 14 casos de gripe (13 na semana passada).

Na semana passada, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, já dava conta de que os dados sobre a gripe indicavam que o pico já poderia ter sido atingido.

Num comunicado divulgado ontem, a diretora-geral da Saúdeafirmou que a atividade gripal se mantém em níveis epidémicos, mas com baixa intensidade e tendência decrescente.

“Nos cuidados de saúde hospitalares, verificou-se uma estabilidade na procura dos serviços de urgência nesta semana. A proporção de casos com diagnóstico de síndrome gripal mantém-se inferior a 3%”, aponta o comunicado, no qual se afirma também que entre os dias 22 e 28 de janeiro foram internados nos cuidados intensivos 14 doentes, representando 4,5% do total os doentes em cuidados intensivos.

Nos cuidados de saúde primários o número e a proporção de consultas por síndrome gripal “mostram uma tendência decrescente em todo o país”, tendo havido também menos casos de atendimentos por gripe na linha SNS 24 e menos acionamentos registados pelo Instituto Nacional de Emergência Médica.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas