Gripe: Vacinação de grupos de risco em queda na Europa
DATA
07/02/2018 12:47:32
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Gripe: Vacinação de grupos de risco em queda na Europa

A vacinação contra a gripe nos grupos de risco caiu na Europa nos últimos sete anos, e cerca de metade dos países reportaram uma diminuição das doses disponíveis, segundo um relatório divulgado.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Centro Europeu de Controlo de Doenças analisaram a cobertura vacinal em relação à gripe na região europeia entre 2008/09 e 2014/15 e ontem divulgaram as principais conclusões.

As duas organizações avisam que todos os anos morrem cerca de 44 mil pessoas de doenças respiratórias associadas à gripe na região europeia e referem que uma diminuição da vacinação reduz a capacidade de proteger as pessoas durante as epidemias anuais de gripe e durante uma próxima pandemia.

A OMS insta os países europeus a aumentarem as suas coberturas vacinais, atingindo uma meta de 75% de vacinados nos grupos de riscos e nas pessoas mais velhas, a partir dos 65 anos.

Apesar dos constantes apelos, em pelo menos metade dos países europeus apenas um em cada três idosos são vacinados contra a gripe. De acordo com os dados das duas organizações, das 44 mil mortes anuais atribuíveis à gripe, 34 mil ocorrem em pessoas com mais de 65 anos.

A OMS refere que a diminuição na vacinação pode estar ligada a múltiplos fatores, consoante os países. Nos estados com menos recursos, onde a gripe pode não ser considerada uma prioridade, a baixa cobertura pode estar ligada a menor procura. Já nos países onde as vacinas estão amplamente disponíveis, uma quebra nas taxas de vacinação pode estar relacionada com uma falta de confiança nas vacinas ou nas autoridades de saúde ou a barreiras no acesso aos serviços de saúde.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.