Freguesia de Viana do Castelo reclama solução para utentes sem MF
DATA
14/02/2018 14:45:28
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Freguesia de Viana do Castelo reclama solução para utentes sem MF

O presidente da Junta de Vila Nova de Anha, Viana do Castelo, reclamou hoje uma solução “provisória” para os utentes da extensão de saúde da freguesia que estão há cinco meses sem médico de família (MF).

Em declarações à agência Lusa, José Filipe Silva adiantou que o assunto vai ser analisado numa reunião solicitada pela autarquia à Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) e agendada para amanhã.

“A Junta de Freguesia tem recebido inúmeras queixas de utentes que estão desde setembro sem MF na extensão de Vila Nova de Anha. Pedimos uma reunião à ULSAM por entendermos que tem de ser definido um atendimento provisório para estes utentes”, afirmou o autarca.

Aquela extensão de saúde, na margem esquerda do rio Lima, com cerca de 500 utentes, tinha, até setembro, uma médica que agora se encontra de baixa.

José Filipe Silva disse ter recebido da ULSAM “a garantia de que a extensão de saúde não será encerrada mas que, nesta altura, não há médico para substituir a profissional que se encontra de baixa”.

“Fiquei moderadamente satisfeito porque o objetivo não é fechar a extensão de saúde, mas estou preocupado por não estar definido um atendimento alternativo para os utentes da freguesia”, afirmou José Filipe Silva.

“É necessário articular um atendimento para estes utentes. Há pessoas à espera, há cerca de dois meses, para mostrar os resultados de exames médicos que realizaram. Tem de ser definida uma solução provisória”, frisou.

Já em dezembro passado o autarca tinha alertado que a falta de médico na freguesia “tem causado alarme social”, sobretudo na população mais idosa.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas