Congresso SPDMov: conhecimentos sobre genética em foco
DATA
23/02/2018 11:09:14
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Congresso SPDMov: conhecimentos sobre genética em foco

A Sociedade Portuguesa de Doenças do Movimento (SPDMov) organiza o seu congresso nacional entre os dias 2 e 3 de março, sob o tema “Genética nas Doenças do Movimento”, promovendo um espaço de debate sobre as descobertas genéticas das duas últimas décadas.

“As doenças do movimento são muito comuns. O tremor essencial é a doença do movimento mais comum e a Doença de Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais comum, depois da Doença de Alzheimer. É natural que estas sejam doenças que suscitem muito interesse junto dos clínicos e cientistas”, afirma o neurologista e presidente da SPDMov e do congresso da sociedade, Alexandre Mendes. O especialista realça que “na doença de Parkinson a maioria dos casos é de causa desconhecida e que os casos hereditários não ultrapassam os 10% do total dos doentes”.

A reunião acontece no Hotel Curia Palace, em Aveiro, e conta com a partilha de testemunhos de médicos portugueses que estão atualmente a trabalhar fora do país, e também com a presença do especialista italiano Vincenzo Bonifati, com reconhecido trabalho na área da genética das Doenças do Movimento.

“Vamos ter oportunidade de assistir a uma palestra sobre o Estado da Arte da área da genética nas doenças do movimento, mas também promover o debate com o Professor Vincenzo, um especialista que sabe muito sobre a área e partilhará connosco o seu conhecimento. O congresso tem um carácter formativo muito forte e isso é muito importante para os neurologistas, internos de neurologia e cientistas que marcarão presença no congresso”, acrescenta Alexandre Mendes.

Doença de Parkinson, distonia, coreia, ataxia, tratamento das doenças do movimento com estimulação cerebral profunda (DBS, na sigla inglesa) e doenças do movimento hereditárias na criança são alguns dos temas que estarão em destaque no congresso.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas