×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34880
Sarampo: Dois terços dos casos são de profissionais de saúde com as duas doses da vacina
DATA
22/03/2018 12:49:53
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Sarampo: Dois terços dos casos são de profissionais de saúde com as duas doses da vacina

Dois terços dos casos positivos de sarampo do atual surto são de profissionais de saúde com as duas doses necessárias da vacina, segundo o Ministério da Saúde.

O secretário de Estado adjunto da Saúde, Fernando Araújo, disse hoje aos jornalistas que não vê necessidade de tornar obrigatória a vacinação contra o sarampo, como chegou a sugerir o comissário europeu para a Saúde.

Vytenis Andriukaitis defendeu quarta-feira, em Bruxelas, a obrigatoriedade de vacinação para os profissionais de saúde e ainda a harmonização na União Europeia (UE) do calendário de imunizações para as crianças.

Fernando Araújo sublinha que as taxas de vacinação em Portugal são elevadas e que no norte, onde se regista o atual surto, atingem os 98%, sendo que o governante não conhece um único caso de um profissional de saúde que tenha recusado a vacinação.

De acordo com o secretário de Estado, dois terços dos casos deste surto são de profissionais com o plano vacinal completo.

Fernando Araújo lembrou que, nos casos das pessoas vacinadas, a doença pode manifestar-se, mas de forma ténue e a capacidade de a transmitir aos outros é muito reduzida.

Aliás, é por grande parte das pessoas estar vacinada que o secretário de Estado considera que o surto acabou por estar mais limitado à região norte.

Fernando Araújo falava à margem da cerimónia que assinala o Dia Mundial da Tuberculose, que é celebrado no sábado.

Na terça-feira, o número de casos de sarampo confirmados no atual surto em Portugal subiu para 62 e os casos suspeitos da doença ascendia a 168, segundo dados da Direção Geral da Saúde (DGS).

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas