Será que a tecnologia pode tratar a doença de Parkinson?
DATA
03/04/2018 11:01:12
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Será que a tecnologia pode tratar a doença de Parkinson?

Como forma de celebrar o Dia Mundial da Doença de Parkinson, o Campus Neurológico Sénior (CNS) organiza, no dia 7 de abril, um congresso nacional que reunirá profissionais de saúde e da área da tecnologia para discutir o tema “Será que a tecnologia pode tratar a doença de Parkinson?”.

O I Congresso do CNS, decorrerá em Torres Vedras e conta com o patrocínio científico da Sociedade Internacional da Doença de Parkinson e Outras Doenças do Movimento (MDS), da Sociedade Portuguesa de Doenças do Movimento (SPDMov) e da Sociedade Portuguesa de Neurologia (SPN). Contará com intervenções de palestrantes de várias instituições académicas do país, como a Universidade do Minho, a Universidade do Porto e a Universidade de Lisboa.  

“O tema do congresso surge da necessidade de estabelecer uma maior colaboração entre os profissionais de saúde e os investigadores de área da tecnologia”, revelou a organização em comunicado, acrescentando que “nos últimos anos têm-se verificado grandes avanços na área da tecnologia aplicada á saúde”, porém, “há ainda a necessidade de estreitar a colaboração entre os profissionais de saúde e quem desenvolve as tecnologias para que mais facilmente estes avanços se traduzam em verdadeiros benefícios para os doentes”.

O CNS é um centro português especializado em doenças neurodegenerativas, nomeadamente Doença de Parkinson, onde coexistem três unidades complementares: o CNS - Clínica Médica (inclui Unidade de Neuroreabilitação), o CNS - Unidade Residencial e o CNS – Residência Sénior.

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas