A.N.D.A.R. alerta para troca de medicamentos sem consentimento
DATA
05/04/2018 10:46:09
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

A.N.D.A.R. alerta para troca de medicamentos sem consentimento

No âmbito do Dia Nacional do Doente com Artrite Reumatoide, que se assinala hoje, a Associação Nacional dos Doentes com Artrite Reumatoide (A.N.D.A.R.) alerta para a existência de situações em que os medicamentos, biotecnológicos, dispensados pelas farmácias hospitalares podem não ser aqueles que foram prescritos pelos médicos.

“Temos recebido, nas últimas semanas, várias denúncias de doentes que saem das farmácias hospitalares sem saber exatamente qual o medicamento que lhes é fornecido e sem saber se o seu médico foi informado da troca”, alerta a presidente da A.N.D.A.R., Arsisete Saraiva.

Estas denúncias já motivaram, por parte da A.N.D.A.R. e de outras associações de doentes crónicos, um pedido de audiência ao ministro da Saúde. Em causa estarão as novas orientações da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica (CNFT) do Infarmed sobre a mudança de medicamentos biológicos para biossimilares, que recomendam a utilização de fármacos mais baratos.

“Não podemos permitir que as farmácias hospitalares alterem o tratamento prescrito sem ter em conta a opinião do médico e sem o devido consentimento dos doentes. Isto fragiliza a relação entre médico e doente, que é fundamental, ainda mais no caso das doenças crónicas como a artrite reumatoide”, sublinha Arsisete Saraiva. “É o médico, quem melhor conhece o doente e sabe do seu historial clínico, deve ser ele o principal responsável pela prescrição. A escolha do medicamento não pode transitar para a CNFT, de cada hospital e muito menos ter por base critérios meramente economicistas”.

Este tema estará em destaque nas XVIII Jornadas da A.N.D.A.R., que decorrem hoje, no Hotel Altis.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.