Eutanásia: líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, admite referendo
DATA
06/04/2018 11:09:18
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Eutanásia: líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, admite referendo

O líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, admitiu hoje um referendo sobre a morte medicamente assistida, com vários projetos pendentes no parlamento.

“Acho que devemos refletir sobre a possibilidade de um referendo para dar a conhecer aos portugueses o conjunto das soluções que existem”, afirmou Fernando Negrão, em entrevista à Antena 1.

Fernando Negrão recusou a ideia de que a sua posição contrária às leis da morte assistida tenha por base “questões de natureza religiosa”.

Para o ex-ministro, “já existem instrumentos que protegem o cidadão” nestas situações, como o Testamento Vital, que é “pouco conhecido dos portugueses”.

O Testamento Vital é o direito de todo o cidadão maior de idade em manifestar que tipo de tratamento e de cuidados de saúde pretende ou não receber quando estiver incapaz de expressar a sua vontade.

“Havendo este instrumento e tendo o maior respeito pelo valor da vida, é isso que me leva a votar contra” as leis, justificou.

No ano passado, o PSD, então liderado por Pedro Passos Coelho, admitiu a possibilidade de uma consulta popular, o mesmo acontecendo, à direita, com o CDS-PP.

Desde o congresso do PSD, em fevereiro, os dois ex-líderes parlamentais do PSD, Luís Montenegro e Hugo Soares, defenderam a realização de um referendo sobre a eutanásia.

O PAN e o BE já entregaram os seus projetos de lei no parlamento e o PS vai fazê-lo em breve. O PEV também anunciou um projeto de lei próprio.

À direita, o PSD decidiu dar liberdade de voto, apesar de Pedro Passo Coelho, o líder em funções em 2017, ter prometido uma posição oficial e admitir todos os cenários, incluindo o do referendo.

Rui Rio, o novo presidente social-democrata, é, pessoalmente, favorável à despenalização da morte assistida, mas não é conhecida a posição da nova liderança.

O projeto de lei do BE permite as duas formas de morte assistida – a eutanásia e o suicídio assistido – e admite a sua realização em estabelecimentos de saúde oficiais e em casa do doente.

No texto, o BE garante a objeção de consciência para médicos e enfermeiros e nunca usa os termos eutanásia ou suicídio assistido, optando pela expressão “antecipação da morte por decisão da própria pessoa”.

A condição essencial é que “o pedido de antecipação da morte deverá corresponder a uma vontade livre, séria e esclarecida de pessoa com lesão definitiva ou doença incurável e fatal e em sofrimento duradouro e insuportável”.

Uma oportunidade de ouro
Editorial | Nuno Jacinto
Uma oportunidade de ouro

O ano que agora terminou foi sem dúvida atípico, fora do normal e certamente ficará para sempre na nossa memória individual e coletiva. Mas porque, apesar de tudo, há tradições que se mantêm, é chegada a hora de fazer um balanço de 2020 e perspetivar 2021.

Mais lidas