UE: Bruxelas quer programa de vacinas comum até 2020
DATA
27/04/2018 11:09:24
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




UE: Bruxelas quer programa de vacinas comum até 2020

A Comissão Europeia (CE) recomendou o desenvolvimento de planos nacionais ou regionais de vacinação, com uma meta comum de cobertura de 95%, contra o sarampo, bem como a criação de um programa de vacinas comum, até 2020, na União Europeia (UE).

O executivo comunitário apresentou, ontem, um conjunto de 20 recomendações sobre o reforço da cooperação na UE no combate a doenças que podem ser evitadas através da vacinação, incluindo o desenvolvimento e aplicação de planos de vacinação a nível nacional ou regional, e uma meta mínima de cobertura vacinal contra o sarampo de 95%, a implementar até 2020.

Foi ainda proposto o desenvolvimento de um cartão de vacinação comum na UE, que pode ser partilhado por via eletrónica, e o estabelecimento de um sistema europeu de partilha de informações para recolher conhecimentos e desenvolver orientações para um programa central de vacinação, até 2020, com doses e idades pré-estipuladas, após aprovação e acordo por parte de todos os Estados-Membros.

Bruxelas propõe ainda a introdução de controlos de rotina do estatuto vacinal e oportunidades regulares de vacinação em diferentes fases da vida, por exemplo, nas escolas e nos locais de trabalho.

A CE pretende, também, criar um portal europeu de informações sobre vacinação até 2019, para fornecer elementos de prova objetivos, transparentes e atualizados sobre os benefícios e a segurança das vacinas.

Em causa poderão estar o aumento dos casos de sarampo registados na Europa. Saliente-se que cerca de 86% das pessoas afetadas não tinham sido vacinadas contra esta doença. Anualmente, existem ainda um número significativo de mortes (pelo menos 40 mil) devido à gripe, em parte pela baixa cobertura vacinal.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas