Trabalhadores da Saúde iniciam greve nacional de dois dias
DATA
02/05/2018 11:05:59
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Trabalhadores da Saúde iniciam greve nacional de dois dias

Os trabalhadores do setor público da saúde iniciaram hoje às 00:00 uma greve nacional de dois dias, convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP).

A paralisação abrange todos os trabalhadores da Saúde, exceto médicos e enfermeiros, dos serviços tutelados pelo Ministério da Saúde, como hospitais e centros de saúde.

Em causa está a exigência do regime de 35 horas de trabalho semanais para os trabalhadores, bem como progressões na carreira e o pagamento de horas extraordinárias vencidas e não liquidadas.

“No turno da noite, de acordo com as informações que tivemos até às 07:30, a adesão era superior a 70% nos hospitais do Faial, São Miguel, Viana do Castelo, Aveiro (que está acima dos 90%), em Portimão, Faro e em São José, em Lisboa, por exemplo”, disse o secretário-geral da SINTAP, José Abraão, em declarações à agência Lusa.

O SINTAP reivindica ainda a aplicação do subsistema de saúde ADSE (para funcionários públicos) a todos os trabalhadores e um acordo coletivo de trabalho para os trabalhadores com contrato individual de trabalho.

A greve nacional, iniciada hoje às 00:00, irá prolonga-se até às 24:00 de quinta-feira.

No dia 25 deste mês, os trabalhadores da Saúde voltam a cumprir um dia de greve, uma paralisação marcada pelos sindicatos afetos à CGTP.

Já na próxima semana, são os sindicatos médicos que têm uma greve de três dias agendada, para os dias 8, 9 e 10.

Doença Venosa

Isolamento social com apoio de proximidade e em segurança
Editorial | Jornal Médico
Isolamento social com apoio de proximidade e em segurança

O futuro tem hoje 5 dias! Inacreditável! Quem é que tem agenda para mais de 5 dias? A pandemia COVID-19 alterou profundamente a vida quotidiana, a prestação de cuidados de saúde e a organização dos serviços de saúde está totalmente alterada. O isolamento social é a orientação primordial de confrontação da pandemia. Mas é necessário promover o apoio de proximidade essencial e aprender a fazê-lo em segurança.

Mais lidas