CHTMAD anuncia abertura de unidade de insuficiência cardíaca
DATA
10/05/2018 11:06:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


CHTMAD anuncia abertura de unidade de insuficiência cardíaca

O Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) anunciou hoje a abertura de uma unidade de insuficiência cardíaca, em Vila Real, que permite um acompanhamento diferenciado, próximo e personalizado aos doentes.

Através de um comunicado, o CHTMAD informou que a nova unidade entrou em funcionamento, este mês, acolhendo doentes provenientes de todo o território de Trás-os-Montes e Alto Douro.

O centro hospitalar referiu que, “pela sua crescente prevalência e impacto”, esta patologia deve ser vista como “uma prioridade na prestação dos cuidados de saúde”.

Nesta nova unidade é feito o seguimento de doentes de diversas proveniências, nomeadamente após internamento hospital por insuficiência cardíaca ou descompensada, mas também doentes referenciados pelos cuidados de saúde primários ou da consulta externa hospitalar.

“A melhoria da qualidade de vida dos doentes, a alta hospitalar mais precoce e a diminuição do número de reinternamentos são os principais benefícios atribuídos a estas unidades”, refere o CHTMAD.

O projeto “é multidisciplinar, engloba vários profissionais e tem como finalidade criar uma estrutura de acompanhamento com o utente muito mais próxima e regular, possibilitando o contacto direto e com fácil acessibilidade”, pode ler-se na nota.

De acordo com o CHTMAD, a “nova unidade proporcionará, também, uma maior articulação entre cuidados de saúde hospitalares e primários”.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas