Doenças circulatórias e tumores responsáveis por mais de metade das mortes em 2016
DATA
22/05/2018 15:20:45
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Doenças circulatórias e tumores responsáveis por mais de metade das mortes em 2016

Em 2016, as doenças do aparelho circulatório e tumores malignos foram responsáveis por mais de metade das 110.970 mortes registadas em Portugal, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

As doenças circulatórias mataram mais mulheres, fazendo 32.805 vítimas (55,1%), do que homens, com idade média de morte situada nos 81,1 anos.

Face a 2015, registou-se uma pequena descida de 0,2%, mas mesmo assim perderam-se 47.923 potenciais anos de vida para as doenças circulatórias.

Quanto às “Causas de Morte 2016”, os números do INE traduzem um aumento de 2,7% nas mortes por tumor maligno em relação ao ano de 2015, subindo para 27.357, com idade média de 73,1 anos e custando 111.072 potenciais anos de vida perdidos para as doenças.

De salientar que os tumores malignos da traqueia, brônquios, pulmão e os do cólon, reto e ânus foram os mais mortíferos, tirando a vida a mais de 8.000 pessoas.

As doenças do aparelho respiratório fizeram 13.474 mortes em 2016, mais quatro do que no ano anterior, atingindo mais os homens (52,2%), e em 9,9% dos casos, antes dos 70 anos, custando 14.963 anos potenciais de vida.

Note-se que mais de 36% das mortes aconteceram antes dos 70 anos. Embora maioria tinha sido causada por doenças, 4,4% das mortes aconteceram por “causas externas de lesão e envenenamento”, 2,6% por acidentes e 0,9% por suicídio.

Os 981 suicídios em 2016 representaram uma descida de 13,3% em relação ao ano anterior. 

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas