Saúde: acesso e qualidade melhoraram a nível mundial entre 2000 e 2016
DATA
24/05/2018 10:30:23
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Saúde: acesso e qualidade melhoraram a nível mundial entre 2000 e 2016

O acesso e a qualidade dos serviços de saúde melhoraram a nível mundial entre 2000 e 2016, um período que viu tornarem-se mais comuns as doenças não transmissíveis e os casos de cancro, revela um estudo hoje divulgado.

De acordo com o estudo, divulgado pela revista médica científica The Lancet, os países com mais altos níveis de acesso à saúde e qualidade dos serviços são a Islândia, a Noruega e a Holanda. Já os países com pior pontuação são a Somália, a Guiné-Bissau e a República Centro-Africana.

Os investigadores salientam que as melhorias registadas nos últimos 16 anos se devem em parte à evolução em muitos países de baixo e médio rendimento da África subsaariana e do sudeste asiático.

Por sua vez, os países que mais melhoraram no período em análise foram a Etiópica, o Ruanda, a Guiné Equatorial, Birmânia e Camboja. No entanto nos Estados Unidos e em países da América Latina como Porto Rico, Panamá e México o progresso diminuiu ou estagnou.

Essa estagnação ou retrocesso, segundo os autores do estudo “Global Burden of Disease”, pode ser um aviso para esses sistemas de saúde, que não estão a evoluir na mesma proporção das necessidades da população, especialmente porque as doenças não contagiosas e os cancros se tornaram mais comuns.

“Estes resultados enfatizam a necessidade urgente de melhorar quer o acesso quer a qualidades dos cuidados de saúde, caso contrário os sistemas de saúde podem criar um grande fosso entre os serviços de saúde e as necessidades da população”, referiu um dos autores do estudo, Rafael Lozano, da Universidade de Washington.

Segundo o investigador, “agora é o momento de investir para ajudar a levar os sistemas de saúde à próxima geração, e acelerar o progresso na era dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”.

Este estudo utilizou um índice para medir a qualidade da prestação de cuidados de saúde e a acessibilidade aos mesmos, baseado em 32 causas de morte evitáveis com uma assistência médica eficaz.

Ao todo, foram analisados 195 países e a média global foi de 54,4 pontos, mais do que os 42,4 pontos em 2000. As disparidades entre países mantiveram-se semelhantes, com uma diferença de 78,5 pontos entre os melhores e os piores: 18,6 pontos na República Centro-Africana e 97,1na Islândia.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas