Jornal Médico Grande Público

INSA promove rastreio nacional às DST
DATA
24/05/2018 12:16:45
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



INSA promove rastreio nacional às DST

A Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa acolhe, nos próximos dias 29 e 30 de maio, rastreios às doenças sexualmente transmissíveis (DST), dirigido a jovens entre os 18 e os 24 anos.

O objetivo desta iniciativa passa por obter dados relativos à prevalência de quatro microrganismos responsáveis por DST em Portugal continental.

A participação neste rastreio, promovido pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), é anónima e gratuita. Os interessados terão apenas de dar o seu consentimento, preencher um inquérito e fornecer uma amostra de urina, podendo posteriormente solicitar os resultados da análise.

Além desta faculdade, o rastreio pode também ser realizado, a nível nacional, em qualquer laboratório do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa.

“A maioria das DST não causa sintomas, ou seja, os infetados não sentem necessidade de procurar diagnóstico, não são tratados e continuam a transmitir a infeção aos seus parceiros. É necessário atuarmos ao nível da prevenção e da sensibilização, sobretudo porque a população jovem também desconhece as consequências das DST na sua saúde reprodutiva”, revela a investigadora e coordenadora do Laboratório Nacional de Referência das Infeções Sexualmente Transmissíveis do INSA, Maria José Borrego.

As DST abrangidas por este estudo são causadas pelas bactérias Chlamydia trachomatis, (Clamídia Genital), Neisseria gonorrhoeae (Gonorreia), Mycoplasma genitalium e pelo parasita Trichomonas vaginalis (Tricomoníase), cujos dados de prevalência em Portugal são, atualmente, quase inexistentes.

De acordo com Organização Mundial da Saúde, estas quatro DST causam mais de 350 milhões de novas doenças por ano, no mundo, sendo as mais frequentes nos jovens sexualmente ativos.

 

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas

Has no content to show!