CHLN contesta perda de capacidade formativa em Pneumologia
DATA
07/06/2018 12:34:49
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




CHLN contesta perda de capacidade formativa em Pneumologia

O presidente do Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN) considera incorreta a decisão de tirar capacidade formativa para 2019 nas áreas de pneumologia e imunoalergologia, garantindo que estas unidades de saúde mantêm na íntegra a capacidade de resposta aos doentes.

Em declarações aos jornalistas, o administrador do CHLN, Carlos Martins, mostrou-se surpreendido com a decisão e disse que considera que “a capacidade de resposta e excelência” continua “intocável”, apesar de os hospitais Santa Maria e Pulido Valente terem perdido capacidade de formar novos internos em 2019 nas áreas de pneumologia, otorrinolaringologia e imunoalergologia.

Carlos Martins contesta a decisão da Ordem dos Médicos (OM), considerando que não é correto retirar a capacidade formativa na área de pneumologia enquanto o serviço estiver sob uma avaliação.

“Penso que não é correto enquanto os processos não terminarem”, afirmou, à margem da Convenção Nacional de Saúde, que arrancou, hoje, em Lisboa.

O administrador do CHLN diz que os serviços de pneumologia estavam a fazer adaptações em reposta a algumas questões detetadas pela OM e adiantou que, no próximo dia 18, iria decorrer uma auditoria.

Desta forma, Carlos Martins admite ter ficado surpreendido com a decisão da OM de retirar vagas à Pneumologia do CHLN para formar internos no próximo ano.

O responsável mostrou-se ainda surpreendido por ter sabido da perda de capacidade formativa na área de ORL através da comunicação social.

Note-se que o CHLN perdeu a capacidade formativa em pneumologia para 2019, segundo o mapa de vagas de acesso à especialidade, na sequência de denúncias relativas a irregularidades, que se encontram agora a ser investigadas pela OM.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas