SNS continua sem unidades especializadas para doentes de Huntington
DATA
15/06/2018 17:07:22
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


SNS continua sem unidades especializadas para doentes de Huntington

A propósito do Dia Nacional da Doença de Huntington (DH), efeméride assinalada, hoje, dia 15 de junho, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) continua sem disponibilizar unidades especializadas para atendimento dos doentes.

Segundo a presidente da Associação Portuguesa dos Doentes de Huntington (APDH), Helena Soares, “a consagração do Dia Nacional da Doença de Huntington foi um passo muito importante, mas agora é urgente dotar o SNS de uma ou duas unidades especializadas nesta doença”.

A responsável da APDH considera que o desconhecimento acerca desta patologia “é generalizado, o que dificulta muito o acesso dos doentes e famílias a cuidados médicos de qualidade quer permitirão o tratamento e acompanhamento digno que merecem”.

De salientar que a DH atinge cerca de oito mil pessoas em Portugal (doentes, portadores e pessoas em risco), de acordo com as estimativas da APDH e em linha com o que se passa no resto do mundo.

Note-se, ainda, que esta doença hereditária, rara e degenerativa do cérebro, com transmissão dominante, tem uma probabilidade de 50% de ser transmitida aos descentes, sendo caracterizada pela perda neuronal seletiva e progressiva, associada a alterações motoras cognitivas e comportamentais.

Recorde-se que, no passado dia 4 de maio, a Assembleia da República aprovou três projetos de resolução para consagrar 15 de junho como o Dia Nacional da DH, bem como criar formas de apoio aos portadores desta degeneração hereditária do sistema nervoso central.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas