APDP torna-se membro consultivo da ONU
DATA
21/06/2018 11:17:24
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



APDP torna-se membro consultivo da ONU

A Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP) foi aceite como membro consultivo da Organização das Nações Unidas (ONU) e será a única organização portuguesa a participar na 3ª reunião das Nações Unidas sobre a prevenção e controlo de doenças não transmissíveis.

As doenças cardiovasculares, cancro, diabetes e doenças pulmonares – doenças crónicas não transmissíveis – são um dos problemas mais presentes na saúde pública, comprometendo o desenvolvimento económico e social em todo o mundo.

Com o objetivo de dar resposta aos principais desafios do milénio no domínio da saúde, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu um plano de ação global para a prevenção e controlo das doenças não transmissíveis para o período de 2013-2020, que compromete os Chefes de Estado e de Governo no desenvolvimento de programas nacionais ambiciosos.

No seguimento da definição destas metas, a Assembleia Geral da ONU voltará a reunir-se para falar sobre o tema, no próximo dia 27 de setembro, para poder acompanhar os progressos globais e nacionais, bem como definir os caminhos ainda a percorrer.

No próximo dia 5 de julho decorre, em Nova Iorque, uma reunião preparatória ao encontro de setembro, na qual irá estar presente o diretor clínico da APDP, João Filipe Raposo.

O responsável da APDP destaca a “importância dos países partilharem conhecimento e experiências nacionais sobre o que resulta e o que não resulta na luta contra as doenças não transmissíveis, das quais a diabetes é uma das mais complexas”.

João Filipe Raposo alerta, ainda, para o aumento do número de pessoas a morrer de doenças não transmissíveis. “O preço da inação é inaceitável pois o impacto negativo deste tipo de doenças é imenso, prejudicando anos de visa saudável, famílias, comunidades e a própria economia global”.

O plano de ação global prevê o cumprimento de nove metas até 2020, nomeadamente reduzir em 25% a mortalidade prematura por doenças não transmissíveis através da prevenção e do tratamento, reforçar a prevenção e o tratamento do consumo nocivo de álcool, reduzir em 10% o sedentarismo, promovendo a prática de atividade física e a diminuição em 30% do consumo de sal, entre outras.

2020: Linhas de provocação de uma nova década com novas obrigações para novos contextos
Editorial | Rui Nogueira
2020: Linhas de provocação de uma nova década com novas obrigações para novos contextos

Este ano está quase a terminar e uma nova década vai chegar. O habitual?! Veremos! Na saúde temos uma viragem em curso e tal como há 40 anos, quando foi fundado o Serviço Nacional de Saúde (SNS), há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções.

Mais lidas