Estratégia para a Visão: Reestruturação de urgências e prioridade a prematuros
DATA
26/06/2018 10:34:39
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Estratégia para a Visão: Reestruturação de urgências e prioridade a prematuros

A Estratégia Nacional para a Saúde da Visão defende a reestruturação das urgências de Lisboa e define como prioritárias as crianças prematuras com alto risco de desenvolver retinopatia.

De acordo com o documento, divulgado no site da Direção-Geral da Saúde (DGS), é proposta a definição como prioritários dos doentes que têm distúrbios visuais neurológicos, que inclui os que têm paralisia cerebral e crianças prematuras com alto risco de desenvolver retinopatia da prematuridade, com consequências drásticas e risco de cegueira irreversível.

É ainda proposta a reformulação, até ao final de 2019, das urgências de Lisboa, replicando o modelo do Porto, e a criação de um polo de urgência oftalmológica no Algarve “que funcione de forma continua”.

A Comissão responsável pela Estratégia Nacional para a Saúde da Visão sugere a também criação de uma plataforma de cuidados primários para a saúde visual e defende um forte investimento e um alargamento estruturado da oferta a este nível.

“O alargamento e a estruturação da base de oferta de cuidados de saúde visual ao nível dos cuidados de saúde primários terão de ser um alicerce de toda a rede oftalmológica nacional”, refere a nota da DGS.

Apesar do crescimento do número de consultas, os especialistas defendem que os serviços de oftalmologia da estrutura hospitalar do Serviço Nacional de Saúde, tem “importantes insuficiências e constrangimentos”.

“O número crescente de pendências em termos de consultas e o não cumprimento dos Tempos Máximos de Resposta Garantida (TMRG) são dois exemplos da necessidade de intervenção estratégica ao nível dos cuidados de saúde visual em Portugal”, refere o documento.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas