Indústria Farmacêutica quer novo acordo sobre despesa com medicamentos
DATA
03/07/2018 10:49:41
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Indústria Farmacêutica quer novo acordo sobre despesa com medicamentos

A Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA) quer que o Governo firme, já este ano, um novo acordo relativo à despesa pública com medicamentos, como o que tinha sido assinado em 2016 e que está a terminar.

Hoje, o presidente da APIFARMA, João Almeida Lopes, reconheceu o esforço que o Ministério da Saúde tem feito na aprovação de novos medicamentos em Portugal, no entanto considerou que é preciso “fazer mais” e recusou “raciocínios frios e impessoais que resultam em cortes” na Saúde e impedem o acesso a cuidados.

“Em Portugal temos até agora conseguido encontrar os diferentes equilíbrios necessários, mesmo durante o período de assistência financeira”, afirmou João Almeida Lopes, na abertura da conferência “Um Compromisso Com as Pessoas”, que decorre hoje em Lisboa.

O representante da indústria farmacêutica lembrou a importância do acordo assinado com o Estado português para o triénio 2016-2018, sublinhando que “é fundamental que o acordo seja confirmado em 2018”.

Neste acordo, a indústria farmacêutica compromete-se a colaborar para atingir os objetivos orçamentais para a despesa pública com medicamentos em meio hospitalar e em ambulatório, tendo como objetivo “garantir a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”. O acordo fixa para cada ano um referencial de despesa pública com medicamentos.

João Almeida Lopes rejeita “visões puramente economicistas” que agravem a qualidade dos tratamentos dos doentes portugueses, reconhecendo que é necessário “evoluir para uma metodologia que permita otimizar os resultados em saúde”, colocando o doente no centro do sistema.

A conferência, que decorre esta manhã no Centro Cultural de Belém, conta com a participação do presidente da Federação Europeia da Indústria Farmacêutica, Stefan Oschmann, e do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

As certezas enganadoras sobre os Outros
Editorial | Mário Santos, membro da Direção Nacional da APMGF
As certezas enganadoras sobre os Outros

No processo de reflexão da minha prática clínica, levo em conta para além do meu índice de desempenho geral (IDG) e da satisfação dos meus pacientes, a opinião dos Outros. Não deixo, por isso, de ler as entrevistas cujos destaques despertam em mim o interesse sobre o que pensam e o que esperam das minhas funções, como médico de família. Selecionei alguns títulos divulgados pelo Jornal Médico, que mereceram a minha atenção no último ano: