Cancro: Serão investidos 900 mil euros em projeto de nova terapia
DATA
03/07/2018 14:30:39
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Cancro: Serão investidos 900 mil euros em projeto de nova terapia

O Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S), o IPO-Porto e a biofarmacêutica Phyzat anunciaram, hoje, que vão investir 900 mil euros num projeto que visa desenvolver uma nova terapia contra o cancro.

Segundo o i3S, “os parceiros visam desenvolver um novo medicamento baseado em RNA de interferência (componentes das células), validar novos alvos terapêuticos e adaptar à oncologia uma tecnologia desenvolvida no i3S para entrega de ácidos nucleicos”.

A participação do i3S centra-se no desenvolvimento de “um novo sistema de entrega de oncoterapias genéticas com recurso a dendrímeros, macromoléculas capazes de incorporar fármacos e que podem ser desenhados para os entregarem a alvos específicos”.

Segundo Ana Paula Pêgo, que lidera a equipa que desenvolveu esta tecnologia baseada em dendrímeros, o seu grupo “há muito tempo que se concentra no desenvolvimento destes nanocarregadores com propriedades ideais para transportarem ácidos nucleicos, como por exemplo RNA de interferência”.

Por outro lado, “as terapias genéticas para o cancro ainda precisam de um veículo ideal para entregar os ácidos nucleícos especificamente às células cancerígenas. É aqui que surge o encontro perfeito entre a investigação desenvolvida no i3S e a Phyzat”, acrescentou a investigadora.

Com o apoio financeiro do Norte 2020, este projeto irá decorrer durantes os próximos dois anos.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas