Porto disponível a criar parceria com Governo para obras em centro de saúde
DATA
03/07/2018 18:32:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Porto disponível a criar parceria com Governo para obras em centro de saúde

A Câmara Municipal do Porto (CMP) mostrou-se, hoje, disponível para estabelecer um protocolo com o Ministério da Saúde para melhorar as instalações “precárias” da Unidade de Saúde de Azevedo de Campanhã, adiantou o vereador da Habitação e Coesão Social.

Em declarações aos jornalistas, Fernando Paulo adiantou que, após uma visita à unidade de saúde, verificou que as instalações são “bastante precárias”, havendo inclusivamente áreas onde poderá haver focos de insalubridade.

“Falamos com a senhora diretora do ACES [Agrupamento de Centros de Saúde] e agendamos uma reunião com a ARS [Administração Regional de saúde] do Norte para disponibilizar a colaboração da câmara para ser parte da solução na resolução do problema ao nível do edificado”, explicou o autarca.

Embora a CMP não tenha uma responsabilidade direta nesta matéria, Fernando Paulo reforçou que a autarquia está disponível para ser “parte da solução”, uma vez que esta unidade de saúde exige uma “resposta rápida”.

O vereador ressalvou, ainda, que a autarquia poderá assumir as instalações do centro de saúde, exigindo em contrapartida a melhoria da oferta dos serviços de saúde à população, nomeadamente ao nível da saúde oral.

A população servida por este centro de saúde carece de alguma "vulnerabilidade", disse, acrescentando que os serviços de saúde não devem só tratar as doenças, mas criar condições para que as pessoas adotem estilos de vida saudáveis e concebam programas de acompanhamento de idosos e jovens.

Fernando Paulo ressalvou que as atuais instalações do Centro de Saúde são limitativas para que possa disponibilizar outros serviços.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas