Ministro da Saúde remete para outono contratação de mais profissionais
DATA
04/07/2018 14:34:24
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Ministro da Saúde remete para outono contratação de mais profissionais

O ministro da Saúde remeteu para o outono a eventual contratação de mais profissionais de saúde para suprir a passagem às 35 horas semanais, admitindo que não será possível contratar, este ano, o número desejável de trabalhadores.

A realização de uma nova vaga de contratações de profissionais de saúde só irá acontecer depois de avaliadas as necessidades, o que será feito setembro.

Hoje, no parlamento, Adalberto Campos Fernandes adiantou que, em setembro, será feita uma “aferição do que foi feito”. Posteriormente, com base em “dados objetivos serão feitos antes do inverno os ajustamentos que devam ser feitos”.

“Provavelmente não haverá condições orçamentais para recrutarmos este ano todo o universo de profissionais desejável”, admitiu.

Há cerca de duas semanas, também durante uma comissão parlamentar de Saúde, o ministro da Saúde tinha adiantado que haveria uma primeira fase de contratação, agora em julho, e que depois haveria outra fase em setembro.

A deputada do PCP Carla Cruz questionou, hoje, diversas vezes o ministro sobre a quantidade de profissionais que pretendia recrutar na segunda fase, em setembro, lembrando que os dois mil que serão contratados este mês são “claramente insuficientes”.

Também, o BE e o PSD vincaram que seriam necessários pelos menos cinco mil profissionais para colmatar as necessidades da passagem às 35 horas de trabalho semanais.

Sobre a contratação de dois mil profissionais a partir de agora, o ministro da Saúde esclareceu que os mesmos serão contratos sem termo.

Campos Fernandes recusou-se, contudo, a adiantar qual o impacto orçamental que terá a passagem dos profissionais para as 35 horas de trabalho semanais, apesar das insistências do deputado do PSD Ricardo Batista Leite.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas