SMZS apoia demissão de chefes de equipa do S. José
DATA
09/07/2018 12:20:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




SMZS apoia demissão de chefes de equipa do S. José

A Direção do Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS/FNAM) apoiou a decisão de demissão por parte vários chefes de equipa do Hospital de São José, em Lisboa, considerando-a uma “atitude corajosa”.

Devido à degradação da qualidade assistencial do serviço de Urgência do S. José, vários chefes de equipa de Medicina Interna e Cirurgia Geral apresentaram a demissão, na passada sexta-feira, alegando que este serviço chegou a “uma situação de emergência” que impõe “um plano de catástrofe”.

Em comunicado, enviado às redações, o SMZS alega que “a política seguida pelos últimos governos tem como único objetivo reduzir custos através do desmantelamento dos serviços de saúde”, nomeadamente “fechando serviços e camas, não contratando pessoal médico, não abrindo vagas para internos e jovens especialistas, obrigando os médicos a trabalho extenuante, extraordinário e mal remunerado”.

Por outro lado, o sindicato considera que estas decisões “colocam em causa a segurança dos utentes, como é denunciado pelos chefes de equipa demissionários” do S. José.

O SMZS afirma estar disponível “para apoiar todas as formas de luta que os médicos desses hospitais estejam dispostos a travar”.

Na mesma nota, o sindicato dos médicos lança, ainda, um apelo ao primeiro-ministro, António Costa, pedindo a “realização de negociações imediatas com os sindicatos”.

“Apelamos à solidariedade e à união de todos os médicos face à contínua degradação do SNS, que atenta contra os seus profissionais e contra o direito à saúde de todos os cidadãos”, concluiu o SMZS.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas