APCC: Maus comportamentos aumentam cancro da pele
DATA
17/07/2018 10:37:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



APCC: Maus comportamentos aumentam cancro da pele

Os maus comportamentos humanos são responsáveis pelo aumento do cancro da pele, que mata anualmente 250 portugueses, revelou o presidente da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC), Osvaldo Correia.

"Estimamos que haja 12 mil novos casos de cancro de pele este ano em Portugal e mil serão de melanoma", o tipo de cancro mais mortal, salientou o especialista, em Coimbra, durante uma ação de formação para mais de mais de meia centena de trabalhadores de uma empresa nacional, que operam ao ar livre.

Segundo Osvaldo Correia, os melanomas correspondem a entre 5 a 10% de todos os cancros de pele, representando três quartos das mortes registadas anualmente em Portugal. Desta forma, é fundamental apostar em medidas preventivas, de forma a travar o aumento significativo de cancros da pele.

Os trabalhadores ao ar livre devem ter cuidados acrescidos, que passam pela utilização de protetor solar acima do fator 30, chapéu com abas, vestuário de manga cumprida e óculos escuros com proteção 100% contra raios ultravioleta A e B.

"É preciso estimular vivamente o uso de chapéu que cubra adequadamente as orelhas, porque nas orelhas, no nariz e nos lábios temos muito cancro de pele, que atingem os praticantes de desporto e as profissões ao ar livre", sublinhou o responsável da APCC.

De acordo com Osvaldo Correia, "o importante é a prevenção primária e assumir cuidados de saber conviver com o sol, não só na praia, mas também na serra, no trabalho e no desporto ao ar livre, seja à semana como ao fim de semana".

"As pessoas não julguem que, pelo facto de estar calor, vão ficar com mais calor vestindo-se, porque as pessoas que são nativas do deserto andam cobertas, as únicas que não andam são os turistas", salientou.

Além da morte, os cancros da pele causam danos físicos, psicológicos e cicatrizes deformantes no corpo humano, salientou o presidente da APCC.

No âmbito da responsabilidade social das empresas, Osvaldo Correia aconselha as administrações a disponibilizarem equipamentos de proteção e protetores solares aos trabalhadores.

De salientar que, este verão, a APCC promove uma campanha de alerta em relação aos cuidados a ter com o sol quer durante as férias quer durante o trabalho. A iniciativa vai percorrer todo país junto de praias marítimas e fluviais, bem como locais de trabalho ao ar livre, nomeadamente da construção civil e da agricultura.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.