Região Norte tem 289 vagas para médicos
DATA
27/07/2018 10:41:54
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Região Norte tem 289 vagas para médicos

A região Norte tem 289 novas vagas para médicos de diferentes especialidades para as áreas Hospitalar, Cuidados de Saúde Primários e Saúde Pública no âmbito do concurso que visa a contratação de recém-especialistas.

No âmbito de uma “política levada a efeito pelo atual Governo e Tutela do Ministério da Saúde, a região Norte foi de novo contemplada com mais 289 vagas para médicos”, lê-se num comunicado divulgado, esta quinta-feira, pela Administração Regional de Saúde do Norte (ARS Norte).

No documento sobre a distribuição do número de postos de trabalho divulgado, ontem, no Diário da República pode ler-se que há um total de "67 vagas" para os agrupamentos dos centros de saúde/unidades funcionais no Norte.

No Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro abrem 28 vagas, para o de Vila Nova de Gaia/Espinho há 22, o Centro Hospitalar do Porto acolhe 18, no do Tâmega e Sousa abrem 25 e no de Santa Maria Maior, em Barcelos, quatro.

O Hospital de Guimarães tem 12 vagas, o Centro Hospitalar do Médio Ave tem três, a Unidade Local de Saúde de Matosinhos 13, a do Nordeste 17 e a do Alto Minho 15, enquanto o Hospital Magalhães Lemos abre duas e o Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil - Porto oito, refere o mesmo documento.

O Centro Hospitalar de São João tem 20 vagas para atribuir, o de Entre o Douro e Vouga 23 e a ARS Norte tem oito vagas (cinco para médicos de saúde pública, duas para pediatria e uma para medicina no trabalho).

Recorde-se que o Governo abriu, esta quinta-feira, um concurso para contratar 1.234 médicos que terminaram a especialidade nas áreas Hospitalar, Medicina Geral e Familiar e de Saúde Pública.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas