Açores: Governo vai analisar óbitos na Misericórdia de Ponta Delgada
DATA
31/07/2018 10:02:38
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Açores: Governo vai analisar óbitos na Misericórdia de Ponta Delgada

O secretário regional da Saúde, Rui Luís, revelou que serão analisados os processos clínicos dos pacientes que morreram na Santa Casa da Misericórdia de Ponta Delgada em 2017.

"Estamos a falar em complemento da informação que é pública e que está na página da rede de cuidados continuados, relativamente a todas as instituições, há lá uma estatística referente à taxa de mortalidade e nós o queremos é complementar essa informação e para tal é necessário verificar os processos clínicos de todas essas situações para perceber em que circunstâncias é que decorreram esses óbitos para que efetivamente essa taxa seja melhor percetível por todos", afirmou Rui Luís na delegação de Ponta Delgada do parlamento açoriano.

O secretário regional da Saúde falava aos jornalistas, conjuntamente com a secretária da Solidariedade Social, Andreia Cardoso, acerca da qualidade da rede de cuidados continuados nos Açores, na comissão permanente de assuntos sociais, da Assembleia Legislativa Regional.

Os responsáveis foram ao parlamento, na sequência de uma reportagem da TVI sobre alegados maus-tratos a idosos na Santa Casa da Misericórdia de Ponta Delgada, bem como na de Angra do Heroísmo, na Ilha Terceira.

Rui Luís garantiu esclarecer as causas de morte registadas em 2017 na Santa Casa da Misericórdia de Ponta Delgada, lembrando que a taxa de mortalidade subiu nesta instituição, entre o primeiro semestre e o segundo de 2017, de 8% para 15%, à semelhança de outras instituições que prestam cuidados continuados.

O secretário regional da Saúde assumiu que a análise aos processos clínicos dos óbitos nas instituições que prestam cuidados continuados passará a ser um "procedimento" usual bem como as vistorias para infraestruturas e qualidade de serviço serão feitas "sem aviso prévio".

Segundo Rui Luís, as vistorias às 18 unidades da rede de cuidados continuados nos Açores são feitas pela direção regional de Saúde, depois de a coordenadora da rede regional dos cuidados continuados, Margarida Moura, ter denunciado, no âmbito da mesma comissão, que não tinha autorização para fazer essas vistorias.

Relativamente às acusações de que o Governo Regional dos Açores estaria a financiar mais camas do que as que estavam protocoladas com a Santa Casa da Misericórdia de Ponta Delgada, Rui Luís ressalvou que a "regra geral é se atinge uma taxa de internamento de 80% é paga a totalidade e se é inferior é pago o número de camas usadas".

Note-se que a Santa Casa da Misericórdia de Ponta Delgada tem capacidade para receber 42 camas para doentes de longa duração, sendo que atualmente acolhe 38 pacientes.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.